Blog

#Dicas

Florianópolis não têm só praia!

Floripa reserva uma surpresa em cada canto que se vá. Um exemplo indiscutível deste fato são os Parques Ecológicos Municipais. Basta citar o horto florestal (parque Prof. João David Ferreira Lima). Este local espetacular fica na região central da ilha de Florianópolis. Para quem está hospedado na Old Beach ou vem da lagoa, são 9 km.

#Dicas

Um lampião que desafia!

Desde da década de 1920, quando a Compagnie Génerale Aéropostale, iniciou sua aventura pelos ares do mundo, numa rota entre Paris e Buenos Aires, o Campeche entrou no mapa das viagens internacionais.  O Capitão Antoine de Saint-Exupéry, conhecido pelos nativos como “Zeperri”, escritor do Pequeno Príncipe e de Vôo Noturno (1931), era um dos pilotos que utilizava a orientação de lampiões a querosene para aterrissar no campo de pouso localizado aos pés da montanha que, por razões obvias, mais tarde ganhou o nome de Morro do Lampião.

#Dicas

Praia no outono? Simm e mais 12 pontos turísticos culturais

Um destino de viagem que possui 42 praias em seu rol de atrações e mais de 120 pontos turísticos, dispensa motivos para convencer a ser visitado. Florianópolis, com suas belezas naturais, encanta seus visitantes não só no verão, mas o ano todo.

#DICAS

Lagoa do Peri

O Parque Municipal da Lagoa do Peri é uma reserva biológica, tendo bastante sombra, rico em fauna e flora. Além disso, ouvem-se diversos pássaros por ali. A Lagoa do Peri é abastecida por um conjunto de mananciais hídricos que nascem nas encostas do Sul da Ilha. Toda a região está preservada como patrimônio natural pelo decreto municipal nº 1.828. Menos explorada que a Lagoa da Conceição, na Lagoa do Peri ainda se pode encontrar Mata Atlântica Primária. Com alguma sorte, pode-se ver o jacaré-de-papo-amarelo, que, de acordo com biólogos, é inofensivo ao homem. É a maior lagoa de água doce da costa catarinense. São 5,2km² de extensão; 11m de profundidade. O Parque Municipal da Lagoa do Peri possui 2.030 hectares de unidade de conservação e 20,3 km² de bacia hidrográfica. Suas águas não são afetadas pelas oscilações da maré, pois está a cerca de 3m acima do nível do mar. O Parque Municipal da Lagoa do Peri é um dos principais ecossistemas em estágio de preservação e regeneração da Mata Atlântica original. É berçário de animais típicos, como a Lontra e o Macaco-prego. E até aves ameaçadas são encontradas, como é o caso da Gralha-azul. A área em volta da lagoa tem mata e trilhas belíssimas que levam a cachoeiras e antigos engenhos coloniais. As caminhadas ecológicas, em alguns casos são realizadas com acompanhamento. As crianças também têm boas opções de entretenimento. Além da água doce e tranquila, ideal para banho, há um pequeno parque infantil, com área arborizada por enormes eucaliptos, onde elas podem brincar e se divertir à vontade. Passeio de barco, caiaque e outras espécies não motorizadas, bem como pescarias de linha de mão e caniço também são atividades permitidas por lá.

#DICAS

Projeto Tamar

Fundado em 1980, o Projeto Tamar se dedica a proteger da extinção as 5 espécies de tartarugas-marinhas presentes na costa brasileira e até hoje já devolveu para o mar mais de 40 milhões de tartarugas, contribuindo para recuperação de suas populações em parcerias com pescadores e comunidades

#DICAS

Trilha da Lagoinha do Leste

A Praia da Lagoinha do Leste, acessível somente a pé ou por embarcação, existem dois caminhos por terra. O mais curto começa na tradicional comunidade de pescadores do Pântano do Sul, cerca de 400 metros antes de se chegar à praia. É preciso ter preparo físico, já que a subida do morro é bastante íngreme. Percorrendo a mata fechada, em cerca de 40 minutos é possível chegar ao topo do morro. No alto, o mar se apresenta, e dá um estímulo ao caminhante prosseguir. Aproveite para tomar um fôlego, apreciar a vista e tirar muitas fotos. A continuação é morro abaixo, e todo santo ajuda, mas cuidado para não escorregar nos seixos. Relaxar os pés ao pisar na areia clara e depois mergulhar no mar ou na lagoa valerá cada esforço. Recomenda-se aos trilheiros que comecem pela manhã, aproveitando o sol mais ameno das primeiras horas do dia. É recomendável levar alimentos e uma garrafinha d’água, porque a Lagoinha do Leste é selvagem, sem estrutura. É bastante frequentada por surfistas em busca de ondas perfeitas. Os campistas gostam de ficar por ali num esquema mais roots. Se for passar a noite, vá em grupo, e tome cuidado com seus pertences. A outra opção para alcançar a praia por terra é pela trilha a partir do Matadeiro, que é a mais extensa.